Avaliação do Ciclo de Vida na ISO 14001

Imagem Post 4 ACV na ISO14001

A Avaliação do Ciclo de Vida (ACV) é a mensuração dos possíveis impactos ambientais que ocorrem em todas as etapas de um processo produtivo.
Conhecida como análise dos processos do “berço ao túmulo”, a ACV é agora também exigida para empresas que desejam obter ou renovar a certificação de Sistema de Gestão Ambiental ISO 14001.
Os estágios típicos do ciclo de vida de um produto (ou serviço) incluem aquisição de matéria-prima, projeto, produção, transporte/entrega, uso, tratamento pós-uso e disposição final e, quando cabível, reciclagem e reuso.
Analisando todas as entradas e saídas de matérias e insumos, energia e fluxo de atividades, é possível ter uma visão macro dos reais impactos ambientais associados a tal produto ou serviço.

Abordagem na norma ISO
A ISO 14001 não define de forma clara quais produtos ou serviços devem ser avaliados no escopo do Ciclo de Vida. Porém, indica a necessidade das organizações em identificar os aspectos e impactos ambientais além das fronteiras da fábrica, ou seja, de acordo com a perspectiva de ciclo de vida.
Como exemplo de aplicação da ACV, podemos mensurar a Pegada Hídrica e a Pegada de Carbono de um determinado produto. Isso significa calcular o consumo de água ou as emissões de carbono em todas as etapas da cadeia produtiva. O cálculo deve ser elaborado por meio de estimativas com base em referências bibliográficas.
As normas ISO mais atuais específicas para ACV são a ISO 14040 – Princípios gerais, ISO 14044 – Requerimentos e diretrizes e ISO 14046 Pegada Hídrica.

Etapas da Avaliação do Ciclo de Vida
  1. Definição de Escopo: O primeiro passo é definir quais serão os limites da avaliação. Os estágios do   ciclo de vida que são aplicáveis irão variar dependendo da atividade, produto ou serviço.
  2. Identificação dos aspectos e impactos: após a definição dos limites, são mapeados todos os processos da cadeia de valor e paralelamente, identificam-se os aspectos ambientais mais relevantes, e com maior potencial de gerar impacto.
  3. Coleta de dados: consiste na coleta de dados que representam os fluxos de massa e energia dentro das fronteiras estabelecidas na fase anterior.
  4. Mensuração dos Impactos: nesta etapa os fluxos são quantificados em termos de impactos ambientais relativos, como por exemplo, consumo de água para a categoria de impactos sobre os recursos hídricos ou kg de CO2 equivalentes para a categoria de mudanças climáticas.
  5. Interpretação dos Resultados: avaliam-se os resultados, definindo as conclusões e ações necessárias para a mitigação dos impactos.
Importância
Um produto ou serviço sustentável deve minimizar impactos em todas as etapas da cadeia produtiva e não somente dentro das fronteiras da fábrica.
Muitas vezes o ponto de aplicação mais eficaz de melhorias ambientais localiza-se antes (upstream) ou depois (downstream) da etapa de manufatura, identificando possíveis mudanças que, antes da ACV, não eram percebidas, como por exemplo:
– Escolha do material de fabricação, já pensando na facilidade de descarte, reciclagem ou reutilização do mesmo;
– Concepção de produtos retornáveis, viabilizando a logística reversa;
– Disseminação de boas práticas em sustentabilidade para toda a cadeia produtiva por meio da elaboração de manuais de fornecedores e formas de avaliar suas ações.

 


Claudio Bicudo Mendonça é Gestor Ambiental e Diretor Executivo na H2O Company, empresa focada em Inteligência e Estratégias em Sustentabilidade.

Victor Sá Oliveira é Engenheiro Ambiental pela USP e Consultor em Sustentabilidade na H2O Company, empresa focada em Inteligência e Estratégias em Sustentabilidade.

Posted in Sem categoria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *