Açaí Juçara – O Desenvolvimento Sustentável acontece na Mata Atlântica

Imagem Post 3

O Projeto Juçara foi desenvolvido pelo IPEMA (Instituto de Permacultura da Mata Atlântica), com recursos da Petrobrás através do Programa Petrobrás Ambiental.

Em sua primeira etapa do projeto, em 2010, o objetivo foi capacitar comunidades caiçaras tradicionais da região de Ubatuba (no litoral norte do Estado de São Paulo) a produzirem o Juçara com o objetivo de colher seu açaí. Na segunda fase, em 2015, o projeto se fundamentou na divulgação e expansão da utilização dos frutos da palmeira juçara na culinária.

O Juçara (Euterpe Edulis) é uma palmeira nativa da Mata Atlântica. Essa espécie chegou quase à extinção por conta da exploração predatória de seu palmito. O problema é que para coletar o palmito é necessário cortar a palmeira e esta não volta a se regenerar.

Com o advindo do Açaí da Amazônia, que nos últimos anos ganhou o Brasil e o mundo por suas propriedades nutricionais e energéticas, surgiu a ideia de utilizar a fruta de seu primo da Mata Atlântica, o Juçara. A polpa do Juçara é uma novidade entre as comunidades caiçaras, pois historicamente, não se conhecia a técnica de retirar e aproveitar sua polpa. O resultado é uma polpa naturalmente doce, diferentemente do Açaí­ da Amazônia que é amargo por natureza. Assim, não é necessário adicionar açúcar na polpa do Juçara, mantendo o alimento saudável.

A produção da fruta do Juçara tem enorme potencial de mercado e vem crescendo rapidamente.

Em minha última viagem a Ubatuba, fui atrás da iguaria, mas poucas pessoas conheciam o Açaí Juçara. Até que uma cozinheira do hotel onde me hospedei comentou que sua tia era produtora do Juçara na Praia da Fazenda. Então, fui até lá conhecer e encontrei vários produtores na região da Praia da Fazenda e Ubatumirim. Em uma venda do bairro pude experimentar o suco natural do Açaí Juçara. Uma delícia! Acabei comprando alguns quilos da polpa congelada para trazer a São Paulo.

Recentemente, na feira de Gastronomia Orgânica do Parque Vila Lobos, em São Paulo, encontrei um produtor da COOPAFASB (Cooperativa da Agricultura Familiar de Sete Barras) que estava vendendo a polpa do Juçara congelada. No início vendia a R$5,00 cada 250ml, porém, quando iniciou a degustação, todos queriam comprar e logo o preço subiu para R$10,00 cada 250ml. Este produtor era do Vale do Ribeira, no sul do Estado de São Paulo, região onde localiza-se uma das maiores reservas de Mata Atlântica do Brasil.

Este é um modelo de valorização da biodiversidade, da floresta e das comunidades tradicionais. Além disso, é um modelo de desenvolvimento econômico e sustentável. Não tenho dúvidas de que em pouco tempo o Açaí­ Juçara ganhará o gosto do brasileiro e do mundo, assim como aconteceu com o Açaí da Amazônia.

Justo na semana do Meio Ambiente, recebemos a notícia de que o desmatamento da Mata Atlântica aumentou 57,7% entre 2015 e 2016, principalmente na região sul da Bahia. Portanto, é hora de impulsionar práticas de produção sustentável para conciliar o desenvolvimento econômico, social e a preservação da maravilhosa Mata Atlântica. Vamos comer Açaí Juçara!

 

Encomendas da polpa do Juçara:

www.coopafasb.com.br

E-mail: vendas@coopafasb.com.br

Mais informações:

http://www.projetojucara.org.br/


Claudio Bicudo Mendonça é Gestor Ambiental e Diretor Executivo na empresa de consultoria H2O Company, focada na Gestão Corporativa Estratégica para a Sustentabilidade.

Posted in Sem categoria.

One Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *